Domingo, 13 de Maio de 2007

Divagação #1

Uma vespa fez ninho num buraco de um divan que tenho no jardim. Aquilo incomoda, pica, eventualmente. Ao fim de vários dias decidi, tapei o buraco.

Estava à janela da cozinha quando ela voltou ao alpendre onde está a minha cama de leitura ao ar livre, prazeres da vida no campo.

Horas passadas ainda ali andava. Voava zonza, entontecida. Andava assim desde que chegara. Sabia onde era a entrada, mas parecia não usar os olhos, apenas o instinto, aproximava-se, afastava-se, procurava um pouco mais ao lado, visivelmente perturbada, desorientada, como se o instinto lhe falhasse e tivesse que pensar, coisa que não sabe, não pode, não consegue fazer. Voava então para mais longe, como que para retomar o caminho, como que para fazer voltar atrás o tempo, e volta, volta sempre. Volta a quê? A um instinto? A uma casa? A um ninho? Desespera, ainda que só por instinto, por uns ovos de que há-de cuidar?

Horas passadas e ainda ali anda e de cada vez que a vejo aumenta-me um sentimento de culpa, de pena.

O raio daquela irritante vespa ficou tão humana. Entendi os janaístas.
publicado por joao moreira de sá às 14:21
link do post | opinar | favorito

Arcebispo de Cantuária

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 43 anos. Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever. jmoreiradesa@gmail.com

links

posts recentes

Resistir à mudança ou ser...

Preocupam-me os velhos qu...

Durante quantos anos vão ...

Volta ao mundo em 80 espe...

"de Lisboa a Bruxelas são...

Tenho a casa a arder. Qua...

Saramago, o evangelizador

Ó senhores do Barclays, n...

O país tem furos!

As desculpas de Passos Co...

subscrever feeds

blogs SAPO