Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007

Opinião #60

 
Acho tanta piada a isto que se calhar devia ir para o belogue de humor.
 
Português de 55 anos: "eu com 55 anos estou bom para trabalhar mas nesta idade é difícil arranjar emprego".
 
Português de 60 anos: "ora como é que eu, com 60 anos, posso trabalhar ainda até aos 65 anos? Ainda para mais nesta profissão" (não interessa qual é, são todas de "desgaste rápido" por cá).
 
Português de 60 (ou 65) anos: "isto uma pessoa habitua-se ao trabalho, de repente fica reformado, sem nada para fazer, é uma tristeza".
 
Talvez não fosse má ideia incluir o "Cândido ou o Optimismo" do Voltaire com leitura obrigatória... em todos os anos do ensino escolar.
 
publicado por joao moreira de sá às 06:32
link do post | opinar | favorito
1 comentário:
De Inconstância a 31 de Outubro de 2007 às 12:27
A questão é que a alguns nunca lhe apeteceu trabalhar para ganhar a vida, independentemente da idade! Ou melhor, há pessoas que nasceram para ser servidos e outras que nasceram para servir...os pilotos por exemplo, compreende-se que não lhes apeteça mais trabalhar em certa idade pois no fim de contas a reforma que levam nessa idade já lhes dá para viverem confortavelmente para não dizer muito confortavelmente!!!bem, mas para todos os factos é necessária a indispensável contextualização! Eu acho que cada um se devia reformar quando quisesse...até eu, certos dias, já me apetece reformar!!

Comentar post

Arcebispo de Cantuária

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 43 anos. Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever. jmoreiradesa@gmail.com

links

arquivos

Setembro 2015

Junho 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

subscrever feeds

blogs SAPO