Quarta-feira, 7 de Novembro de 2007

MusicOpinião #4

 
As músicas de Vitorino por vezes podem soar (quase) todas muito semelhantes. Para uns isto é falta de originalidade, de criatividade, de etc... (se bem que ainda estou por perceber que consequências tem num músico a falta de etc.).
 
Eu, com esta mania de ter opiniões, tenho uma, que é a mesmo e outra. Explico.
 
Nalguns casos é de facto falta de originalidade, de ideias. Noutros, onde se inclui Vitorino, é coerência, é o explorar de uma mesma raiz musical, o canto alentejano, que se por um lado pode fazer com que resulte melodicamente semelhante em diversas músicas, por outro abre caminho ao que ali se dá mais importância, o canto. E se até a cantar Vitorino pode soar sempre "semelhante", admito, cada audição consegue ser contudo única e sempre agradável. Embala o ouvido, a alma e os sentidos.
A diferença está na reacção. Aos primeiros reajo com "mais do mesmo", a Vitorino reajo com "novamente delicioso".
 
E para quem estiver distraído, se o "cante" soar a falta de imaginação ou originalidade, procurem-nas nos arranjos, nos instrumentos. Aqui são tradicionais, ali usou guitarras eléctricas, acolá fez arranjos de jazz.
 
publicado por joao moreira de sá às 07:50
link do post | opinar | favorito

Arcebispo de Cantuária

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 43 anos. Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever. jmoreiradesa@gmail.com

links

posts recentes

Resistir à mudança ou ser...

Preocupam-me os velhos qu...

Durante quantos anos vão ...

Volta ao mundo em 80 espe...

"de Lisboa a Bruxelas são...

Tenho a casa a arder. Qua...

Saramago, o evangelizador

Ó senhores do Barclays, n...

O país tem furos!

As desculpas de Passos Co...

subscrever feeds

blogs SAPO