Terça-feira, 19 de Outubro de 2010

Volta ao mundo em 80 especulações

E depois uma pessoa pensa, mas a 6.80 até eu emprestava dinheiro ao Estado. Até a 5%. A 10 anos? Força nisso. E podiam emitir títulos de dívida pública, obrigações do tesouro a 10 anos a 5% que já poupavam. E uma coisinha mais moderada, 3% a 5 anos. A comparar com o que os bancos pagam é um bom investimento. É. Para mim, para si. Mas não é. Porque a resposta a porque é que não sou eu a emprestar dinheiro ao Estado Português acima de 6.5%? é: na verdade é. Parte dele. Pois, eu sei que não recebe juros de 6.5% de lado nenhum, esse é, com sorte, o valor de um juro que paga. Mas empresta, você, eu, tu, ele, nós povo, vós empresas e empresários, eles banca.

 

Acontece é que provavelmente eu, tu, você, ele investimos e arriscamos pouco cada um e de cada vez. Eles que com o dinheiro deles ou com o nosso no caso da banca podem, investem muito e podem arriscar mais, seja porque o risco é de uma parte irrelevante do bolo, seja porque depois se pode recuperar em IRC's e demais com jiga-jogas contabilísticas, seja precisamente porque o dinheiro com que se está a jogar é... o nosso, o tal que é emprestado a juro pornográfico e nos é "devolvido" a taxa soft-core.

 

Acontece sobretudo porque não dá jeito. Aqui entre nós que falamos sem rodeios, se você conseguir emprestar-me dinheiro a quase 7%, diga-me um bom motivo para querer mesmo emprestar-me mais a um juro inferior, com a garantia de que ninguém mais o fará. Não há. Você não é parvo. Você não quer que eu lhe pague um juro menor mas sim garantir que eu tenho forma de lhe pagar o que já me emprestou, vai emprestando e espera vir a emprestar. Se me vir em dificuldades para cumprir o acordo é claro que vai tentar ajudar-me. Quer garantir que eu tenho forma de lhe pagar. Mas ajudar-me não passa por suavizar o juro, não enquanto eu tenha outros recursos. Eu sou mesmo só eu. Você pode fazer o papel de Banco? Obrigado. Eu sei que nesse caso passo a ser uma insignificância para si comparando que o que empresta e investem os mais afortunados (no literal sentido do termo), as grandes empresas... enfim, o que nós chamamos ordinariamente (aqui fico indeciso no sentido do termo) de "os ricos". Mas o dinheiro, esse tem todo o mesmo valor, vai todo para o mesmo bolo. Depois o bolo corta-se em fatias e vai passear de Fundo em Fundo, de off-shore em off-shore, daqui para ali, dali para aqui. Em cada paragem alguém come uma fatia do bolo, pelo que ou ele é assim um grande bolo alemão, tão grande que dá uma fatia jeitosa para cada comensal ou, se é um pequeno bolinho regional português, tem que ser muito apetitoso para que dar só uma dentadinha valha a pena.

 

Pode ser que tenhamos mandado vir demasiado champanhe e que agora os alemães tenham dinheiro para pagar a conta e nós e os gregos e ali mais ao fundo da mesa os espanhóis e os irlandeses até não tenhamos dinheiro para a pagar. Mas ninguém daqui do restaurante, excepto talvez os alemães, os ingleses, os franceses e uns senhores de fato e gravata ali ao fundo estão realmente preocupados com isso. Toda a gente sabe que alguém há-de pagar a conta. Os que se preocupam não é que a conta não seja paga mas sim que tenham eles que nos ajudar a pagar. Ninguém gosta de penduras. Confessemos enfim que estamos aflitos para pagar a conta do restaurante. Fazem-nos um desconto? Claro que não! Não temos outra forma de pagar? Multibanco? Cartão de crédito? Cheque? Um amigo ou familiar que possa fazer o Sacrifício e vir cá trazer? Vender o carro? A casa? Há que fazer sacrifícios! Ou será que ainda não percebeu que os patrões aqui do restaurante irão chupá-lo até ao tutano para garantir o máximo de lucro que lhes permita continuar a jogar a Volta ao Mundo em 80 Especulações?

 

Percebeu, claro que percebeu. Todos perceberam. Mas ele, Estado e respectivos apêndices dependem daquele restaurante para comer. Podiam vir jantar a minha casa ou à sua? Podiam, mas não é que não fosse a mesma coisa, é que não convém. Porque dava cabo do jogo. E muita gente ia ficar zangada se os jogadores começassem a subverter as regras do jogo. Já viu o que acontecia se eu passasse a comer em casa em vez de ir ao restaurante? Passava a pagar só 3, 4, 5 em vez de quase 7. De que iam viver os jogadores da Volta ao Mundo em 80 Especulações que se alimentam destes 7 que eu pago? De que se iam alimentar todos os jogadores intermédios que se alimentam desta diferença de 5 para 7 que seja? Podia pôr o jogo em risco. E isso não interessa a ninguém. Nem mesmo a quem lhe pede que faça sacrifícios e pague lá mais um bocadinho em impostos, que trabalhe até a maneuldeoliveirice, que corte aqui, reduza ali. Porque enquanto eu e você conseguirmos (sobre)viver (ou passivamente aceitar) esta inevitabilidade como sendo verdade, permitimos que o jogo continue - enquanto houver peões no tabuleiro as peças grandes podem ficar sossegadas - "nós" que temos a conta do restaurante para pagar também alinhamos, não vão os nossos amigos que prometeram apoiar-nos naquela eleição para o "Quem quer ser o próximo governo" irritar-se connosco e retirar-nos a ajuda de casa, os 50/50 sem o que não conseguimos ganhar a ajuda do público.

 

Percebeu? Podíamos sim ser eu e você a emprestar dinheiro ao Estado. Não se desse o caso de que já emprestamos, só que não recebemos nem perto de metade do juro que o Estado paga "nos mercados" porque é um jogo onde todos ganham - excepto eu e você, claro. Nós financiamos. É um paradoxo mas no fundo a banca somos nós e as nossas vidas - e quem havia de querer que o jogo acabasse? Excepto eu e você, claro, mas nós nem estamos com muita paciência para chatices, pois não?

 

(originalemte publicado no blogue 31 da Sarrafada)


publicado por joao moreira de sá às 19:11
link do post | opinar | favorito

Arcebispo de Cantuária

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 43 anos. Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever. jmoreiradesa@gmail.com

links

arquivos

Setembro 2015

Junho 2011

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

subscrever feeds

blogs SAPO